Please reload

DESSALINIZAÇÃO DA ÁGUA

20 Dec 2017

 

O planeta Terra possui mais de 70% de sua superfície coberta pelas águas dos oceanos. Por isso, a dessalinização é uma alternativa que vem sendo desenvolvida em vários lugares do mundo para viabilizar água potável em regiões onde o recurso hídrico é escasso. Uma das maiores desvantagens da dessalinização é o seu alto custo, porém recentemente graças a novas tecnologias esses custos foram reduzidos pela metade, o que tem propiciado a instauração de usinas dessalinizadoras ao redor do mundo. Mas infelizmente, apesar de não serem os únicos, os países pobres ou em desenvolvimento são os que mais sofrem com a falta de água potável e por isso, os custos ainda assim acabam sendo altos demais.

 

 No Brasil, por exemplo, o sistema já é utilizado nos 9 estados da região nordeste, que é a mais seca do país. O Programa Água Doce, desde 2011, tem sido responsável pela gestão de 1.200 sistemas de dessalinização, nos estados do semiárido brasileiro, Alagoas, Bahia, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão (e também Minas Gerais), com ações de recuperação e implantação desses sistemas e o monitoramento e manutenção dos sistemas de dessalinização implantados ou recuperados. Coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, o programa contribui para melhorar o acesso à água de qualidade para consumo humano por meio da dessalinização de águas subterrâneas, salobras ou salinas.

 

 Com a execução do programa Água Doce, o Ministério do Meio Ambiente colabora para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), estabelecidos por líderes mundiais junto a ONU, na agenda de metas para 2030. São eles:  


- ODS nº 1: Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares tendo em vista análise da pobreza de forma multidimensional.

 

- ODS nº 6: Garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos, que aborda, entre diversos temas, o acesso universal e equitativo à água potável, o acesso ao saneamento, a eliminação de despejo de produtos químicos, o aumento da reciclagem e da reutilização segura da água, a implementação da gestão integrada dos recursos hídricos e a proteção dos ecossistemas relacionados com a água – como florestas, rios, aquíferos e lagos.
 

- ODS nº 17: Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

 

 O sistema de dessalinização adotado pelo Programa Água Doce consiste de poço tubular profundo, bomba, reservatório de água bruta, chafarizes, dessalinizador, reservatório de água doce, reservatório de concentrado salino (efluente do processo de dessalinização) e tanques de contenção e evaporação do concentrado. Do poço, a água é bombeada até o reservatório de água bruta, passa pelo dessalinizador, que usa a tecnologia da osmose inversa (remoção do sal pelas membranas), e sai totalmente pura direto para o reservatório de água doce. Daí é distribuída por chafariz para consumo humano.

 

 Nos últimos anos algumas comunidades beneficiadas pelo programa Água Doce passaram a utilizar energia solar para mover os dessalinizadores devido a considerável quantidade de energia que o processo demanda. Em outras partes do mundo, como na Arábia Saudita estão sendo construídas novas usinas dessalinizadoras junto com usinas de energia pelo mesmo motivo. Contudo estão sendo feitos testes e pesquisas a partir de possíveis técnicas capazes de otimizar a energia utilizada no processo, como a dessalinização capacitiva e osmose direta. Outra preocupação dos ecologistas são as consequências ainda não estudadas o suficiente, da reintrodução da salmoura no mar, proveniente da sobra de sal no processo.

 

 A ONU prevê que em 10 anos, quase 2 bilhões de pessoas, viverão em regiões onde a água será escassa, vivendo com menos de 10 mil metros cúbicos de água cada uma. Levando em conta os impactos positivos e negativos que as usinas de dessalinização podem oferecer ao meio ambiente, o melhor é que novas técnicas voltadas a otimização de energia sejam desenvolvidas, e que sejam considerados os espaços de implantação da usina e de que maneira é retirada a água do mar sem afetar a fauna marinha, e principalmente, que as pessoas, empresas, entidades, a sociedade como um todo se conscientize do valor que tem o recurso hídrico e que a água potável é um bem esgotável. Por isso, são essenciais campanhas contra o desperdício da mesma.

 

 

Share on Facebook
Please reload

Voltar para o início